terça-feira, 14 de março de 2017

Sobre as pessoas que nos cercam...

Uma coisa é verdade. Somos o resultado de tudo que está a nossa volta e nos influencia. Como você cresceu? Quais eram seus amigos? Você os influenciou ou deixou-se influenciar? Isto foi importante para te tornar quem é hoje?! Quem era sua professora preferida? E seu amigo de infância?

Nós somos um poço que recebe um pouco de água de todo mundo. Água limpa, cristalina, doce ou salgada. Pra lavar a alma. Mas também água suja, e podre. E uma gotinha de água suja e podre pode acabar com a água de um poço inteiro.

Então, tenhamos cuidado com quem mantemos ao nosso redor. Isto eu quero dizer para tudo. Seja em casa, no trabalho, na rua, o tio que vende pão e é mal humorado, o vendedor desleixado daquele fornecedor que você tem q lhe dar. Tenhamos muito cuidado com tudo. Do programa de Tv que deixamos entrar em casa, das músicas que ouvimos. Da raiva da política e da dificuldade do dia a dia.

Eu tive duas experiências com chefes bem estúpidos e grosseiros. E minha última experiência tem acabado comigo. Uma pessoa de um humor digno de piedade. Grita com todos, mesmo sem ter razão. Humilha esposa e filha em frente aos funcionários. CALA A BOCA! FICA QUIETA! VÃO SE F¨&¨¨&. é algumas das coisas que ouvimos todos os dias. Como considerar família quem te trata desta forma diariamente? Como ter um dia bom? Não se acostume, isto não é normal. É patológico.

E então você vive dia a dia neste meio. Fica nervoso só no caminho ao trabalho pensando nas asneiras que irá ouvir e ter que tolerar naquele dia. Começa a se sentir um lixo, por ser tratada como um. Por trabalhar num lugar que todos são tratados como lixo. Num lugar sem respeito e dignidade. E se você trata as pessoas da sua empresa como se fosse lixo, sinto muito, você está dizendo que a sua empresa é um poço de lixo.

E um dia eu acordei e decidi que não queria mais. E quantas oportunidades começaram a aparecer. De repente você percebe o quanto estava se sentindo um nada pela pressão psicológica que seu ambiente de trabalho estava fazendo sobre você! De repente você descobre que é valorizada aqui do lado de fora. E basta você se valorizar primeiro.

Então se afaste de todas essas pessoas que acham que trabalho e humilhação estão ligados. Se afaste também da família que só sabe falar mal de suas ações e não te valorizam. Se afaste de amigos que fazem coisas que você desaprova. Se afaste de pessoas que vivem às custas dos outros por que estão com pregiça de trilhar seus próprios caminhos. Se afaste de tudo que te faz um pouquinho de mal. Mantenha sua água limpa e cristalina. Cuide bem do seu poço, do seu interior, para que se reflita também no exterior.




sábado, 31 de dezembro de 2016

Sobre um ano difícil, um ano pesado.

2016 está acabando, quase se arrastando, com aquela dificuldade de um ano pesado. Um ano muito pesado.
Foi na política, na guerra, na vida pessoal. Particularmente tive um ano diferente. Sai do meu último emprego numa empresa em que eu gostava muito, por que fui humilhada num ponto em que fiquei doente. E sai, abri meu escritório de fotografia, fiquei muito feliz. Viajei.
Então voltei da viagem, fechei meu escritório de fotografia, fiquei muito triste, briguei com meu namorado, com meu sócio, pensei em desistir. Fiquei completamente sem dinheiro como nunca havia acontecido. Fiquei desesperada. Prendemos um ladrão de casas no meu vizinho. Mudei de casa. Briguei com minha família, com minha amiga. Entrei numa empresa em que o dono grita com todo mundo, humilha mais uma vez. Fui humilhada por outro chefe de outro emprego. Larguei um deles.
Foi um ano pesado.

Mas teve um lado positivo.


Percebi que faltava eu me amar.


Depois que me mudei, mudei todos os móveis de lugar, fiz aquela limpa, me reconheci em nova casa, novo lar. Depois que pedi as contas de uma chefe estúpida que me chamou de gorda, me mandou emagrecer e fez piadas comigo por um único atraso ("a noite estava boa demais, né?"). Depois que eu respirei de novo, devagar, e aquele furacão estava passando. Eu percebi que queria mudar, queria pintar meu cabelo, cortar. Que coisa boba, não?

Mas nessa bobeira, percebi que eu não me amava mais e já fazia um tempo. Nos últimos 3 anos deixei-me engordar 15 Kg. No último ano, não tinha mais vontade de me arrumar, de me vestir bem. Por que nenhuma roupa caia bem. Comecei a ter espinhas por que parei com meu remédio. Ele atacava uma doença desencadeada por aquele primeiro estresse do primeiro trabalho do comecinho do ano. Mas aí, um dia de beleza exterior me fez pensar tanto na minha beleza interior.

Por que, e quando parei de me amar?


Foi o que as pessoas me falaram, pouco a pouco? Foi aquele dia em que me humilharam? Foi minha futura ex chefe que me chamou de gorda e me mandou emagrecer? Eu não sei, foi um pouco de cada.


Por isso, em 2017, será o ano de me amar. Será o ano em que a promessa de emagrecer será consciente, e dessa vez é por que preciso, realmente irá entrar em prática. Será o ano que irei soltar mais meus cabelos, irei colocar uma vida mais ativa em prática e irei reservar para mim. Me colocarei em primeiro lugar uma vez na vida.


E por isso, fatiar o tempo em anos é tão necessário para nós, pois assim a gente renova, pensa no que ocorreu, no que pode melhorar e segue em frente.


Que 2017 traga a todos tudo o que não puderam ser em 2016. Que 2017 traga beleza interior, e se necessário, exterior para todos. Pode vir, 2017! To te esperando! =*

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

O pior

Da série: músicas mais tristes da vida


Sobre o meu Quero!



Eu quero ter meu dinheiro, meu cantinho e meu tempo. tempo para não fazer nada, para namorar, para ir ver um filme, ir num museu que ainda não conheço e conhecer uma cidade que ainda não fui! 

Quero ter tempo para fazer aquele prato master chef, e ter tempo de sobra para degustá-lo também. Várias vezes. Quero ter tempo para dormir no sofá num sábado a tarde e para assistir todas as séries que eu to atrasada desde que conheci o netflix!

Quero sair para dançar numa sexta qualquer, e fazer parecer que o fim de semana é maior, por que comecei a aproveitá-lo desde cedo. E tomar uma breja no sábado acompanhado de boas risadas, e saber que ainda tem um domingo inteiro de bobeira.
E quero fotografar por que amo, e por que é um hobby e não uma obrigação. Por que gosto de perder (ganhar) meu tempo ali, e por que isso me faz bem, e não por que sou obrigada.

E quero voltar a escrever, mesmo que eu saiba que quase ninguém lê. Isso me faz bem, me satisfaz e me desestressa.

Quero.

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Sobre a vontade de crescer


Sobre músicas que te impulsionam e fazem você levantar o bumbum da cadeira e ir à luta.
Já pensou em todos os projetos que largou pela metade? Aquele que você fala que irá fazer, mas... Tem que fazer isso, e aquilo primeiro, e esquece! Pois é!
Trate de levantar da cadeira, colocar uma boa música, com uma batida daquelas, se isolar e ir à luta. Vai rapaz, é tudo seu! Tem um mundo para você conquistar aí fora, mas você precisa ir até ele!

Levanta, faz suas dívidas, e vai atrás do que é teu! Compra aquela câmera, e começa a fotografar sem certeza do certo! Se arrisca, vamos lá!
As maiores idéias do mundo começaram sem certeza do sucesso. Começaram com muitos votos do fracasso, antes de dar a volta por cima! Se você tem esse espírito empreendedor que habita minha pessoa, pega um lápis agora (eu disse agora, agora mesmo, aproveita a batida da música), e anota todas as suas idéias.

Fez isso? Agora organizar!! Escolha por onde deve começar, quanto tempo demorar, estipule metas, valores, faça seu negócio ficar palpável!!!

Danny do futuro, se estiver lendo isso, também serve para você!

E faça dar certo!
No último ano, tenho muitas conquistas a agradecer, e seria mesquinho da minha parte dizer que não tive novidades. Estava insatisfeita sim, um ano atrás estava na beira de uma depressão profunda. Mas tenho uma sorte, antes de ficar triste, fico brava, e isso me impulsiona! E foi neste ponto que juntei minhas trouxas, procurei uma casa para mim, móveis do meu coração, e até uma caranguinha!

E há quase um ano, estou vivendo no crescimento! Na dor de cabeça, na fome de vez em quando e preguiça, mas no crescimento e felicidade de ter minhas coisas!

Então vamos, aproveita a batida e transforma teus planos em meta! Cresce! 

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Sobre viver e trabalhar e não viver para trabalhar...

Que triste é crescer e descobrir que a vida é tão dura.
Que acordamos cedo e voltamos pra casa depois de escurecer. Que não vemos a luz do dia. E que mesmo que cansados, somos obrigados a fazer o trabalho contratado para um local X. E que mesmo que tenhamos idéias incríveis e consigamos toneladas de dinheiro para nossa empresa, continuaremos recebendo a mesma faixa salarial, e continuaremos acordando cedo e voltando tarde.

Sabe o que eu descobri?
Que está tudo errado!! A gente tem que trabalhar sim. Precisamos conquistar nossa moeda de troca com o mundo. Mas dessa forma, nesse formato atual, não estamos trabalhando para viver. Estamos vivendo apenas para trabalhar!!

Quantas são as pessoas que trabalham apenas para pagar as dívidas básicas. Conseguem no máximo repor uma ou outra roupa que já estava velha demais.

Não podemos aceitar isso. Eu quero sair do trabalho e ainda ter algumas boas horas pra curtir o sol, e conseguir respirar devagar, e ver ele se pôr, e ter mais tempo em casa do que no trabalho.
Eu quero sair do ciclo acordar, trabalhar, voltar, jantar, tomar um banho, dormir.
Eu quero viver. Quero fazer aquele curso bacana, quero cozinhar de verdade tudo o que tenho vontade, quero ter tempo de tirar fotos do pôr do sol, quero ver meu namorado em plena terça feira pra tomar um sorvete, quero ir ver minha família e ainda voltar pra casa antes que fique tarde.
E isso não é pedir demais. Isso é pedir vida!

Nossa vida está toda errada. E ninguém percebe. Por que a vida de todos já estavam assim quando nascemos. Pessoal, deixa eu contar: não, não precisa ser assim! Não é assim em todos os países do mundo!! E não é assim com todas as profissões! E não, não temos q trabalhar tanto pra dar 60% pro governo nas nossas comprar mais básicas. Isso é ridículo e entristece muita gente.
Tanta gente entrando em depressão. Talvez por que nem tenham se dado conta do círculo vicioso e sem vida na qual estão metidos.

Eu não sei como, mas sei que a vida não tem que ser assim, tão sofrida. Sei que o Brasil ajuda muito nas nossas dificuldades. Sei que tem muita gente tão inteligente quanto a gente que ganha 3 vezes mais e paga 3 vezes menos imposto que a gente.

Acordei com vontade de tomar conta da minha vida. E só tem um jeito de fazer isso!
Vamos atrás. Que nossa vida é muito mais que isso! É muito mais que cartão de ponto! E é muito mais que uma carteira de trabalho assinada!

Vamos ser feliz, minha gente. E viver de verdade! 

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Sobre organização, finanças e sua relação com o dinheiro

Ouça ao som de: 

Hoje o tema é diferente. Quero falar sobre finanças. Não, não sou especialista e nem se quer fiz um mero curso sobre o assunto. Mas aprendi de muitas maneiras como lidar com o dinheiro.
Primeiro por que tive uma educação muito conservadora a respeito de finanças. Meus pais guardavam tudo o que podiam, e a poupança e investimentos em terrenos, assim como a vontade diária de abrir seu próprio negócio era basicamente a lição sobre finanças. Cartão de crédito? JAMAIS!

Depois no trabalho. Primeiro emprego, ganhava pouco e vivia com pouco, mas esse pouco até que rendia. Me tornei gerente, aprendi sobre metas, sobre prazos e alguns tipos de investimentos. Aprendi que essa vida de metas dos outros não era pra mim. O suor, na minha opinião, não valia a pena ali, não havia reconhecimento. Mas antes de jogar tudo pro alto, veio a terceira lição. Resolvi embarcar num projeto de viagem. Seriam 10 mil reais em um ano, o que era muito dinheiro para alguém como eu!!

E com foco numa viagem linda para a Europa, com pensamento em tudo o que encontraria lá e em quantos mc donalds deixaria de comer no Brasil para comer um autentico bacalhau do porto de degustar um vinho e macarronada direto da itália, aaaaah, não houve dúvidas.

Me livrei de todas as dívidas, cortei todos os gastos e embarquei. Eu e minha amiga nos planejamos, planilhamos todos os gastos e meta de economia mensal e fomos. Uma se apoiando a outra, e conquistamos nosso objetivo.

E aí depois de viajar e voltar, feliz da vida veio mais uma lição. Do comportamento financeiro de outras pessoas. Li um livro chamado Pai pobre e pai Rico! Aprendi um pouco mais sobre gastos, sobre o que é um investimento e o que não é, e comecei a observar. Mas comecei a notar nas organizações de cada um. Meu pai era conservador. Mas será que vale a pena? Investir investir investir e não viajar coma  família? Não ir comer num ligar diferente ao final de semana. Ele não mandava no dinheiro. Era o dinheiro que mandava nele.
E então um outra amigo próximo: O que meu pai tinha de organizado financeiramente, este era desorganizado financeiramente. Tinha dívidas que não eram suas, tinham contas em seu nome que não eram suas, e o salário não durava até metade do mês. Nome sujo, sem conseguir terminar a faculdade, era difícil ver uma saída. Ele não mandava no dinheiro. O dinheiro também mandava nele.

Enfim,
só quero dizer que as finanças são muito importante na nossa vida. Mas devemos achar o meio termo. Não podemos ser impulsivos e nem conservadores demais. Nós somos o dono do dnheiro. Não é ele que manda na nossa vida. Por que precisamos de dinheiro, principalmente para VIVER.
Tenha o suficiente para ser feliz, pagar suas contas, quitar as dívidas antes de tudo e ter uma pequena reserva para urgências. Diga ao dinheiro que é você quem ganha ele todo mês no dia 30, e não o contrário. Trabalhe para conquistar suas coisas, e suas não coisas. Suas não coisas, abstratas, que ficam na memória mas que também custam dinheiro. Sua viagem, seu almoço num lugar diferente, a não dor de cabeça por ter contas a pagar, e o dinheiro para comprar uma flor pra sua mãe e um vinho para a namorada!

É difícil, mas é sério. Se organizem e sintam a paz de não ter medo de não terminar o mês. Se falta dinheiro, guarde, procure um extra, leve uma marmitinha. Isso não vai te diminuir, vai te levar pro seu lugar de simplicidade, mas sem estresse.