Sobre organização, finanças e sua relação com o dinheiro

Ouça ao som de: 

Hoje o tema é diferente. Quero falar sobre finanças. Não, não sou especialista e nem se quer fiz um mero curso sobre o assunto. Mas aprendi de muitas maneiras como lidar com o dinheiro.
Primeiro por que tive uma educação muito conservadora a respeito de finanças. Meus pais guardavam tudo o que podiam, e a poupança e investimentos em terrenos, assim como a vontade diária de abrir seu próprio negócio era basicamente a lição sobre finanças. Cartão de crédito? JAMAIS!

Depois no trabalho. Primeiro emprego, ganhava pouco e vivia com pouco, mas esse pouco até que rendia. Me tornei gerente, aprendi sobre metas, sobre prazos e alguns tipos de investimentos. Aprendi que essa vida de metas dos outros não era pra mim. O suor, na minha opinião, não valia a pena ali, não havia reconhecimento. Mas antes de jogar tudo pro alto, veio a terceira lição. Resolvi embarcar num projeto de viagem. Seriam 10 mil reais em um ano, o que era muito dinheiro para alguém como eu!!

E com foco numa viagem linda para a Europa, com pensamento em tudo o que encontraria lá e em quantos mc donalds deixaria de comer no Brasil para comer um autentico bacalhau do porto de degustar um vinho e macarronada direto da itália, aaaaah, não houve dúvidas.

Me livrei de todas as dívidas, cortei todos os gastos e embarquei. Eu e minha amiga nos planejamos, planilhamos todos os gastos e meta de economia mensal e fomos. Uma se apoiando a outra, e conquistamos nosso objetivo.

E aí depois de viajar e voltar, feliz da vida veio mais uma lição. Do comportamento financeiro de outras pessoas. Li um livro chamado Pai pobre e pai Rico! Aprendi um pouco mais sobre gastos, sobre o que é um investimento e o que não é, e comecei a observar. Mas comecei a notar nas organizações de cada um. Meu pai era conservador. Mas será que vale a pena? Investir investir investir e não viajar coma  família? Não ir comer num ligar diferente ao final de semana. Ele não mandava no dinheiro. Era o dinheiro que mandava nele.
E então um outra amigo próximo: O que meu pai tinha de organizado financeiramente, este era desorganizado financeiramente. Tinha dívidas que não eram suas, tinham contas em seu nome que não eram suas, e o salário não durava até metade do mês. Nome sujo, sem conseguir terminar a faculdade, era difícil ver uma saída. Ele não mandava no dinheiro. O dinheiro também mandava nele.

Enfim,
só quero dizer que as finanças são muito importante na nossa vida. Mas devemos achar o meio termo. Não podemos ser impulsivos e nem conservadores demais. Nós somos o dono do dnheiro. Não é ele que manda na nossa vida. Por que precisamos de dinheiro, principalmente para VIVER.
Tenha o suficiente para ser feliz, pagar suas contas, quitar as dívidas antes de tudo e ter uma pequena reserva para urgências. Diga ao dinheiro que é você quem ganha ele todo mês no dia 30, e não o contrário. Trabalhe para conquistar suas coisas, e suas não coisas. Suas não coisas, abstratas, que ficam na memória mas que também custam dinheiro. Sua viagem, seu almoço num lugar diferente, a não dor de cabeça por ter contas a pagar, e o dinheiro para comprar uma flor pra sua mãe e um vinho para a namorada!

É difícil, mas é sério. Se organizem e sintam a paz de não ter medo de não terminar o mês. Se falta dinheiro, guarde, procure um extra, leve uma marmitinha. Isso não vai te diminuir, vai te levar pro seu lugar de simplicidade, mas sem estresse.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que namoramos?

Sobre um ano difícil, um ano pesado.

Sobre as pessoas que nos cercam...