Estranhamente familiar

Desconfortável. Estranha. Sozinha. Isolada.


A primeiro momento foi assim que me senti num local cheio de pessoas da qual nunca tinha me deparado antes. Fui convidada pra uma festa de aniversário em conjunto com outra festa. Só não imaginava que me sentiria tão estranha na casa do outro aniversariante. Estranhamente acolhida. Sempre aquela sensação de não saber o que fazer, cumprimentar ou não cumprimentar? Sentar ou não sentar? Conversar sobre o que, com quem e quando?


Até se situar um pouco e após alguns momentos de constrangimento, surgem pessoas receptivas que te deixam um pouco mais a vontade. Exceto quando o assunto acaba. Mas retomamos rapidamente.


Mas o mais estranho foi a hora do parabéns. Entrar na cozinha, ao lado do bolo, dos pais e avó, e rir junto enquanto retomavam seguidamente por quase cinco minutos apenas o “parabéns pra você”, nunca terminando de fato a música! Foram só risos. E mais parabéns a você. E depois vêm o nome do aniversariante, que eu até me esqueci. E de um momento a outro, perceber que já está conversando com a mãe e o pai do aniversariante, fazendo brincadeirinhas,e até comentando algo com a avó, ali, brava por algum motivo. E se sentir de certa forma da família, sendo nunca ter visto aqueles rostos. O bem tratar das pessoas que só por suporem que você conhece alguém da festa, já te fazem da festa foi surpreendente.


Foi um dia estranho. Não existe outra palavra. Só consigo imaginar que todas as pessoas deveriam ter duas famílias. O que uma tem de boa a outra não tem, O que a outra tem de ruim, a uma não tem, e vice e versa e versa e vice. Se completando de uma forma harmoniosa, quase que tal qual sua melodia preferida.


Tudo graças a um impulso corajoso que escolheu entre o ir e não ir naquela noite.

Comentários

  1. aaah mas todo primeiro contato é dificil.
    eu gosto de ter muitas famílias, sabia?
    é interessante!

    ResponderExcluir
  2. Quase todo mundo tem duas famílias bobinha...
    Esse ano você vai conhecer a sua segunda família, lembra do que eu disse???

    Mas sempre vai ter uma tia chata ou uma avó rabugenta, não esquenta, é assim mesmo, senão não é família, é projeto de família.

    Sarangheyo...

    ResponderExcluir
  3. HUahuauhhuA....é verdade, todo mundo tem duas famílias! Pergunta pra mãe do Rafael o que ela acha de mim todo domingo no sofá da casa dela!

    Eles nem ligam mais... já vi todo mundo lá de pijamas, toalha e com cara de sono!

    Muito bom ter duas famílias, mas as vzs você tem dois problemas! hauhuahuahua

    Bjaaao, Saudades!

    ResponderExcluir
  4. falta de assunto é realmente meu maior problema e desconforto!
    as vezes se torna tao comum que quando se tem muito assunto imediatamente pensamos "nossa,realmente me dei bem com fulano"

    ResponderExcluir
  5. Todynha mano!

    O seu companheiro de aventuras....

    Dãããã

    ResponderExcluir
  6. Estranho...sim, são cinco anos estranhos de formação na psico também DM.
    =)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Por que namoramos?

Sobre um ano difícil, um ano pesado.

Sobre as pessoas que nos cercam...