[Apenas Memórias]

Estava escrevendo sobre a vida, em si... Mas me perdi em mim mesma, e resolvi escrever sobre um fato, em particular, e que gostaria de imortalizá-lo pelas minhas próprias palavras. Posso dizer que sempre achei estranho as pessoas chorarem em finais felizes, por que se é feliz, não tem por que chorar! E apesar de me sentir emocionada em finais felizes, nunca foi o suficiente para que me fizessem cair lágrimas. Mas um dia aconteceu. E se eu pudesse resumir felicidade em um dia, em uma ligação... Seria aquela.

Acho que essa memória está ligada a tanta emoção que eu não poderia apagá-la facilmente, e por isso me parece sempre que aconteceu minutos atrás. Era um grande dia de sol, e ao acordar, e triste pelo fim da escola, como estava fazia muito tempo já, decidi aproveitar o dia, e acordei minha irmã para irmos andar de bicicleta no famoso parque do Ibirapuera. O caminho foi longo, mas na ida, paramos num cursinho pré-vestibular para fazer minha matrícula, visto o insucesso das minhas tentativas de ingressar numa faculdade pública sem o uso deste. Seguimos ao parque e andamos o dia inteiro de bicicleta. Até ai, por si só, já é um fato bem agradável, e demonstraria muito bem o meu estado de paz, mas não o pico máximo de felicidade. Ao final do dia, já saciadas do vento ao rosto que as pedaladas puderam nos trazer, passamos em frente à Pró-Reitoria de Graduação da Unifesp, e me recordei de que era o dia da última lista dos ingressantes, mas sem esperanças, nem paramos, seguimos reto para casa (que é bem longe do local). No metrô, voltando para casa, já na estação Patriarca, estava eu de pé e minha irmã sentada ao meu lado, quando escuto meu celular tocar. Logo penso: minha mãe perguntando onde estamos, claro! Atendi, quase dizendo que estava próxima de nossa residência. Foi quando uma voz estranha perguntou se seria Dannyelle M N que estava ao telefone, e eu confirmei a informação. E então a notícia veio. Você prestou vestibular? SIIM! Parabéns, você conseguiu ingressar! Eu, ainda sem entender, perguntei da onde exatamente era, visto que prestei vestibular para 3 diferentes universidades. E ali a notícia se confirmou. Era a Universidade Federal de São Paulo, em Santos. E tinha apenas mais uma semana antes do início das aulas. Só lembro que as lágrimas de felicidade começaram a cair sem parar, embaçando minha visão, e ninguém me entendia. Até me cederam lugares no metrô, pensando que algo grave havia acontecido. Era uma sensação de êxtase, felicidade extrema, realização. Aconteceu o que eu tanto desejava. Era como rir por dentro, e como se as lágrimas estivessem lavando não apenas meu rosto, mas minha alma. Eram sorrisos largos! Era simplesmente... ERA! Apenas era! E quase que pela primeira vez conheceria a praia (só havia estado em uma apenas dois meses antes de ingressar na faculdade). Era ter aquela sensação de ondas batendo contra teu corpo, e o gosto da água salgada pela primeira vez! Era chorar em finais felizes!


E hoje, descobri que aquele lugar já se tornou parte de mim...



E quanto mais penso em voltar, mais quero ficar!



Principalmente por que agora eu quero voar...




... Mas aqui as minhas asas quebram...


[Apenas memórias]

Comentários

  1. Ahá você errou, não era eu no telefone...
    Bem eu diria que sem ouvir o que tenho a dizer você não escreveria textos tão lindos...
    Diria também que não quebro suas asas, quero mais que você voe, e voe muito alto, tanto que você nem mesmo em sonhos pode imaginar o quanto eu gostaria disso...
    Mas deixo os entendimentos ao tempo, pois ele é o mais sábio de todos, e um dia entenderá que por mais que eu gostaria de ter você sempre em meu ninho, te dou a maior força, até te empurro se precisar, mas não para que quebre suas asas, e sim para que alcançe o mais alto dos sonhos, e que seja livre um dia, tanto quanto talvez eu gostaria de ter sido...

    Beijos...

    ResponderExcluir
  2. Oi Prima!!!

    Bonito texto!!
    Eu sou manteiga derretida, chro nos momentos felizes, nos tristes eu me fecho e não consigo!!! Acho que chorei apenas em um momento por tristeza!!
    E assim vai a vida!!!
    Bjos

    ResponderExcluir
  3. O modo como vc descreveu tudo o que aconteceu foi tão belo... Parabéns, menina... E parabéns de novo pelo lance da facul também. Você merece! Beijokas!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Por que namoramos?

Sobre um ano difícil, um ano pesado.

Sobre as pessoas que nos cercam...